Deolinda e o poder da interpretação

Este Verão tive o enorme prazer de ouvir os Deolinda em Tavira e para além da música e das excelentes letras, penso que as interpretações da Ana Bacalhau fazem a diferença. Sabe bem sentir aquele espírito e energia, faz com que naquele curto espaço de tempo que é a duração do concerto possamos entrar num bairro com vizinhos a coscuvilhar e velhotas a pendurar ceroulas nas janelas. Nota-se que é um primeiro álbum, com os pontos negativos e positivos que daí advêm, sendo que se deve destacar o potencial da banda (ou projecto, como pelos vistos é agora a buzzword que está na berra), a autenticidade das letras e a força das interpretações. Além do mais é para idades dos 8 aos 80 :)

Para além do MySpace da banda podem-se encontrar vários vídeos no sítio do costume, sendo de destacar uma entrevista para o Destak (apesar da voz do entrevistador ser praticamente inaudível…).

Aqui fica a música Movimento Perpétuo Associativo uma das músicas que acho mais piada:

Actualização: Como curiosidade, as ilustrações são da autoria de João Fazenda.

Anúncios

0 Responses to “Deolinda e o poder da interpretação”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s





%d bloggers like this: